Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Destralhar

Plano B da Vida

Destralhar

Plano B da Vida

Julho - Organizar a casa

Decidi que em Julho iria colocar tarefas relacionadas com a casa, como prioridade.

 

No início da semana escolhi algumas das tarefas prioritárias e comecei a "comer o elefante", uma dentada de cada vez.

 

A primeira coisa foi escolher as tarefas que iria realizar durante a semana e quando. Afectei as tarefas aos dias no meu calendário e consegui fazer quase tudo a que me propus. Porque na realidade, o que faz com que haja progresso é a execução.

 

E, seguindo a máxima "as pessoas devem estar antes das coisas", o sábado à tarde foi para passear com a pequenada. 

Porém, acabei por transferir demasiadas coisas para domingo (nomeadamente a limpeza da casa), o que quero evitar no futuro.

Mais um motivo para dividir as tarefas/limpezas por pedaços de tempo, durante a semana.

 

TAREFAS PARA JULHO

 

Vendas:

Há um conjunto de copos e garrafas que não consegui vender individualmente. Decidi vender em lote por um preço muito baixo, apenas para despachar.

  • Acção 1 -  Contactei uma compradora de outras peças dessa colecção (foi assim combinado) para lhe dar preferência em relação ao novo preço.
  • Acção 2 -  Se não responder/quiser, alterar o anúncio.

Coloquei mais duas tralhas no OLX, na esperança que se vendam rapidamente.

 

Pequenos DIY

  • Colocar o caixote do lixo (30-60 minutos)
  • Reparar o tubo da mini máquina de lavar (5 minutos)

 

Arrumações e limpeza

  • Arrumar o saco de roupa de inverno
  • Arrumar os arrumos (sim, é ridículo) para caberem os aquecedores

 

Obras

  • Casa de banho: limpar e pintar tecto; pintar porta
  • Acção 1 -  verificar que materiais tenho e quais devo comprar (comprar a menor quantidade possível, doar o que sobrar) Felizmente tenho tudo o que necessito para começar, excepto um aditivo para a tinta a utilizar no tecto da casa de banho.
  • Acção 2 - Limpeza do tecto da casa de banho (para secar bem)
  • Acção 3 - Pintura do tecto
  • Acção 4 -Pintura da porta

 

Costura

  • Pano do guarda-sol dos pais: um monstrego que poderá ser útil para destralhar tecidos (já comprei tecido usado, além do que tinha; lavei os tecidos e vou começar a cortar) [a tarefa que estipulei para este fds foi cortar o tecido, mas só vou cortar na 2ª]
  • Boneca LOL
  • Aumento calças da mãe [a tarefa que estipulei para esta semana foi descoser, o que demorou imenso tempo e resultou em imenso lixo]
  • Bolsos extra para camisa do pai

 

DESTRALHADO

IMG_20190707_090625_085.jpg

Já estava fora do prazo. De ora em diante vou comprar uma embalagem menor que descobri numa outra marca.

 

P.S. - Também destralhei 3 caixas de pensinhos diários, um produto que deixei de utilizar, mas que ainda tinha em stock. Foram doadas a uma familiar.

 

A responsabilidade não é apenas dos jornalistas (mas também)

"A atenção mediática – que há tempos gastou horas e horas, também com repetições incessantes com os episódios que envolveram o Sporting, idem com as toupeiras ligadas ao Benfica ou com a perseguição de um fugitivo – não se interessou por aí além por um discurso cuja espessura de posicionamento superou muito a da rotina dos discursos."

 

Francisco Sena Santos escreveu um texto importantíssimo sobre o mediatismo dos assuntos de relevância jornalística e de como os jornalistas têm responsabilidade da informação que é circulada e como é circulada. 

 

Sinto-me cada vez mais puxada por aquilo que outros (e sabe-se lá com que intenções, porque continuamos a não ter a lista de jornalistas pagos pelo BES) consideram ser digno de notícia.

Os cabeçalhos de notícias que, na verdade não são mais que coscuvelhice, dominam os canais e somos nós que os alimentamos, cada vez que neles clicamos. 

 

Esta semana, vou ser intencional com a minha forma como respondo à agenda jornalística. Vou "dar" os meus cliques (porque leio mais do que vejo) às matérias que considero ser importantes, em vez daquelas que me captam a curiosidade. 

 

Primeira acçãoouvir o discurso (15 minutos) referido no texto, porque foi feito em nome dos portugueses e representa o nosso posicionamento em política externa.

Capturar.JPG