Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Destralhar

Plano B da Vida

Destralhar

Plano B da Vida

Decidi destralhar a minha biblioteca pessoal

jonathan-simcoe-227321

A ideia tem-se vindo a desenvolver nos últimos tempos.

 

O número de livros não lidos não tem diminuído, até porque as trocas que trazem novos inquilinos e as bibliotecas municipais estão sempre a tentar-me.

 

O sonho de deixar uma biblioteca para as minhas sobrinhas, tem tanto de utopia altruísta como um acto egoísta. Querer ter uma biblioteca em casa com mais de 400 livros é irrealista, para uma casa como a minha (que sequer é minha).

 

Ainda estou incrédula que esteja a ser tão displicente com a minha biblioteca. Os livros são a melhor parte do meu dia. Mas a verdade é que não sinto necessidade de os ter em casa. Mais, sinto cada vez mais ansiedade por uma casa cheia de coisas que se torna um problema a resolver, em certas circunstâncias.

 

Por isso, decidi começar a vender a biblioteca pessoal (não se preocupem, não verão aqui anúncios de venda). Não tenho pressa e não é algo de absoluto.

 

Também pretendo doar alguns livros não lidos, que a minha biblioteca municipal não tenha. Assim, sei onde estarão quando os quiser ler.

 

No fundo, culpo a minha biblioteca municipal, onde tenho encontrado tudo o que desejo para ser uma leitora feliz. 

Envelopes que percorrem o mundo

17553829_776404922534534_669917054856726073_n.jpg

Na última semana, tenho feito esforços acrescidos para destralhar livros. Vou tentar trocá-los, mas aqueles que não conseguir (em especial os livros de bolso), vão ser doados.

 

Nas trocas de livros, é frequente a reutilização de envelopes.

Hoje decidi retirar as várias camadas de endereços colados e descobri as idas e vindas de um envelope:

 

Itália > Matosinhos > Tavira > Gaia > Salvaterra de Magos 

 

E sabe-se lá onde irá parar. 

 

Hoje vou novamente a uma loja solidária levar coisas da minha mãe:

duas colunas/floreiras (não sei o nome) + 5 peças de roupa.

 

Não prometo que não traga livros.

Ainda a disciplina - terminar projectos inacabados

Eu tenho um problema: não consigo resistir ao entusiasmo de começar um novo projecto. O problema é que geralmente tenho o projecto antigo para terminar. 

 

Por isso, um dos meus objectivos para 2017 é terminar projectos inacabados:

- uma camisola que já está cortada e falta costurar,

- uma camisa que falta remendar,

- umas calças que estão cortadas e falta costurar,

- uma renda de bilros que vai a meio,

- umas pantufas em tricot que estão inacabadas,

- umas meias em tricot que estão inacabadas,

- uma camisola de lã que falta acabar,

- três projectos de feltro que falta acabar,

- duas carteiras para as quais comprei os materiais e nunca fiz (apesar de terem sido planeadas como presentes).

- aumentar as mangas num pijama que mingou

etc...

 

Estão a imaginar o espaço que todos estes materiais/projectos estão a ocupar em minha casa? Duas prateleiras iriam ficar vazias se os terminassem. É aí que desejo chegar - é esse o meu destralhar deste ano.

 

Este ano quero concentrar-me em utilizar os materiais que tenho e em vender algumas das minhas colecções. Apenas com isso, irei esvaziar a casa em várias prateleiras e ganhar dinheiro, seja no que vendo, seja no que não compro (presentes).

 

DSCF2135.JPG