Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Destralhar

Plano B da Vida

Destralhar

Plano B da Vida

Isto é destralhar?

1.

Apanhei plástico na praia.

 WP_20170615_001.jpg








2.

Colei um autocolante "publicidade aqui não" numa casa vizinha, desabitada. 

3.

Ajudei a minha mãe a destralhar o guarda roupa, juntando entre nós um saco grande de roupa para doar.

Destralhei vários pares de calças de ganga (não serviam), que já comprei usadas e que iriam ser utilizadas para aproveitar o tecido. Foram doadas.

 

Agi como intermediária para um destralhe de uma amiga - ela destralha e eu levo as coisas para a instituição.

 

4.

Numa venda social, em vez de comprar "quiquinhos" que não precisava, simplesmente deixei um donativo.

 

5. 

Quando me tentaram servir copos e talheres de plástico, expliquei que tinha passado a manhã a apanhar plástico na praia e pedi "louça verdadeira". RESULTOU!

 

Vendi dois livros e troquei outro. Esta é fácil!

Decidi destralhar a minha biblioteca pessoal

jonathan-simcoe-227321

A ideia tem-se vindo a desenvolver nos últimos tempos.

 

O número de livros não lidos não tem diminuído, até porque as trocas que trazem novos inquilinos e as bibliotecas municipais estão sempre a tentar-me.

 

O sonho de deixar uma biblioteca para as minhas sobrinhas, tem tanto de utopia altruísta como um acto egoísta. Querer ter uma biblioteca em casa com mais de 400 livros é irrealista, para uma casa como a minha (que sequer é minha).

 

Ainda estou incrédula que esteja a ser tão displicente com a minha biblioteca. Os livros são a melhor parte do meu dia. Mas a verdade é que não sinto necessidade de os ter em casa. Mais, sinto cada vez mais ansiedade por uma casa cheia de coisas que se torna um problema a resolver, em certas circunstâncias.

 

Por isso, decidi começar a vender a biblioteca pessoal (não se preocupem, não verão aqui anúncios de venda). Não tenho pressa e não é algo de absoluto.

 

Também pretendo doar alguns livros não lidos, que a minha biblioteca municipal não tenha. Assim, sei onde estarão quando os quiser ler.

 

No fundo, culpo a minha biblioteca municipal, onde tenho encontrado tudo o que desejo para ser uma leitora feliz. 

Envelopes que percorrem o mundo

17553829_776404922534534_669917054856726073_n.jpg

Na última semana, tenho feito esforços acrescidos para destralhar livros. Vou tentar trocá-los, mas aqueles que não conseguir (em especial os livros de bolso), vão ser doados.

 

Nas trocas de livros, é frequente a reutilização de envelopes.

Hoje decidi retirar as várias camadas de endereços colados e descobri as idas e vindas de um envelope:

 

Itália > Matosinhos > Tavira > Gaia > Salvaterra de Magos 

 

E sabe-se lá onde irá parar. 

 

Hoje vou novamente a uma loja solidária levar coisas da minha mãe:

duas colunas/floreiras (não sei o nome) + 5 peças de roupa.

 

Não prometo que não traga livros.