Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Destralhar

Plano B da Vida

Destralhar

Plano B da Vida

Pequenos passos

1.

Ontem tirei de casa uma dúzia de sacos diversos: para entregar a familiares, para doações e para reciclagem.

2.

Instalei uma app no telemóvel, para me motivar a beber água durante o dia.

3.

Fiz um assado só para mim.

4.

Fui fazer compras, antes que me acabasse o leite, cebolas e outros básicos.

5.

Esta manhã levei a minha garrafa reutilizável, para o trabalho e já bebi 300ml.

6.

Recolhi três sacos de diversos itens, que estavam junto a um contentor de reciclagem, que separei:

- um saco de plástico;

- um saco de têxteis não aproveitáveis;

- um saco com 17 calças de homem, demasiado manchadas para doar, mas que podem ser aproveitadas para mantas de abrigos de animais.

Ontem os sacos para a reciclagem, já saíram de casa.

7. 

Ajudei a minha mãe a encomendar uma peça para um electrodoméstico. E acabei por descobrir que também reparam máquinas de costura (vou ver se resolvo um problema com o meu pedal).

8.

Telefonei a uma amiga que está a passar por uma fase menos boa.

9. 

Dispus algum tempo para estar a falar com uma familiar (adolescente), a viver no estrangeiro (que adooooora falar).

Sorria

1.jpg 

Eu sou incrivelmente cínica no que respeita à generalidade das ondas de estratégias de auto-ajuda que assolam essas redes sociais.

Recordam-se de ver na televisão reportagens sobre a terapia do riso? Aposto que se riram, mas à custa dos intervenientes.

 

Pois bem, juntem-se a mim para fazer o mea culpa

 

Existe suporte científico para a ideia que sorrir (e naturalmente que o rir) mesmo que forçadamente, tem efeitos positivos na nossa mente.

 

Onde ficar a saber isso? Num livro de um economista, que por sinal é prémio Nobel da Economia. Estranho? Pensar: Depressa e Devagar, de Daniel Kahneman é um trabalho fantástico sobre a psicologia e o nosso processo de tomada de decisões. 

 

Nos diversos capítulos, vai resumindo os estudos que foram sendo feitos e que consubstanciam algumas das conclusões actuais sobre como o nosso cérebro funciona. 

 

Num dos estudos, foi pedido ao grupo de pessoas que colocassem um lápis na boca, de forma a activar os mesmos músculos que utilizamos para sorrir, sem desse facto avisar as pessoas. A um outro grupo, tal não foi pedido. Perante os mesmos desenhos humorísticos, o grupo que tinha o lápis na boca classificou-os como mais engraçados, que o grupo que não tinha o lápis na boca. 

 

Ou seja, o nosso cérebro não se limita a fazer-nos sorrir quando vê algo engraçado; ao activarmos os músculos "do sorriso", o cérebro dá-nos o bem-estar associado ao prazer. 

 

 

Nexo de causalidade entre as minhas enxaquecas e a qualidade de sono

Tenho andado a fazer uma série de asneiras, nomeadamente no que respeita a deitar-me a horas. Eu preciso de 8 horas de sono e não adianta tentar recuperar no dia seguinte porque já vou estar com dores de cabeça.

 

Antes, a medicação e uma noite de sono eram suficientes para aplacar a besta. Actualmente, passo blocos de dias, a medicar-me de 8 em 8 horas, sem ter melhorias. 

 

Assim, estou novamente a obrigar-me ao meu plano de apagão digital, pelas 21h00 e cama pelas 22h00. Mais tardar às 23h00, as luzes têm de estar apagadas porque me estou a levantar às 07h00. 

 

E sim, não é dejá vu. Eu já escrevi isto e mais que uma vez. Por esse motivo voltarei ao registo "A regra do Seinfield", que em 2014 tinha este aspecto:

Lamento informar (para quem só chegou agora e pensava que isto era um blog de uma guru do destralhar) que só irei mudar as horas. 

 

Mas a verdade é esta: dormir a horas, é o meu hábito-chave. É este hábito que mais impacto tem no meu dia-a-dia e até na minha saúde física e mental.

 

Por isso, esforços redobrados para o implementar.